Poesia para o Dia das mães (atrasado)

IMG_20180513_172855808.jpg

Ontem foi o dia das mães e eu não postei nada porquê passei o dia curtindo a minha mãe (fotinho acima da mamãe e da minha vovó).

Mãe que é algo que Deus deve ter feito em uma manhã inspirada, porque de todos no mundo elas são as únicas que realmente tem super poderes: dissipam o medo com um colinho, saram dodóis com beijinho, afastam a insônia quando dormem conosco, fazem a melhor comida do mundo mesmo quando não sabem cozinhar. Então aí vai o que um de meus poetas favoritos falou sobre as mamães.

MINHA MÃE

Rio de Janeiro , 1933

Minha mãe, minha mãe, eu tenho medo
Tenho medo da vida, minha mãe.
Canta a doce cantiga que cantavas
Quando eu corria doido ao teu regaço
Com medo dos fantasmas do telhado.
Nina o meu sono cheio de inquietude
Batendo de levinho no meu braço
Que estou com muito medo, minha mãe.
Repousa a luz amiga dos teus olhos
Nos meus olhos sem luz e sem repouso
Dize à dor que me espera eternamente
Para ir embora. Expulsa a angústia imensa
Do meu ser que não quer e que não pode
Dá-me um beijo na fronte dolorida
Que ela arde de febre, minha mãe.

Aninha-me em teu colo como outrora
Dize-me bem baixo assim: — Filho, não temas
Dorme em sossego, que tua mãe não dorme.
Dorme. Os que de há muito te esperavam
Cansados já se foram para longe.
Perto de ti está tua mãezinha
Teu irmão, que o estudo adormeceu
Tuas irmãs pisando de levinho
Para não despertar o sono teu.
Dorme, meu filho, dorme no meu peito
Sonha a felicidade. Velo eu.

Minha mãe, minha mãe, eu tenho medo
Me apavora a renúncia. Dize que eu fique
Dize que eu parta, ó mãe, para a saudade.
Afugenta este espaço que me prende
Afugenta o infinito que me chama
Que eu estou com muito medo, minha mãe.

Anúncios

Fica a dica: Livro Crônica de uma morte anunciada do Gabo

download

Eu amo realismo fantástico e amo mais ainda Gabriel García Márquez, acho que ele escreve de uma forma leve e fluida que torna a leitura muito prazerosa. Este livro, especificamente, foi lançado em 1981, é bem fininho e dá para ler bem rápido e é uma delícia. Com esse friozinho (por aqui estava 18º ontem) e um chocolate quente é uma ótiam pedida.

Ele fala da morte de Santiago Nasar logo nas primeiras linhas da história. Toda a cidade sabe quem quer matá-lo e o porquê, mas ninguém o salva e como isso acontece é a grande magia do Gabo no texto, pois ele sobrepõe varias versões e histórias sobre o ultimo dia de vida da vítima.

Fica a dica: chuva + fim de semana = leitura

8525003050

Bom dia! Com este tempinho nada melhor que um livrinho e um chá embaixo de uma manta quentinha, então recomendo “O livro dos seres imaginários” do Jorge Luis Borges. A leitura é muito leve e fluida, no texto ele fala de vários seres lendários e mitológicos do mundo, é muito interessante. Eu já li e reli algumas vezes e é realmente uma delícia.

beijoooooooooooooooooooooooo

Sinopse: Ordenados alfabeticamente, como nas enciclopédias que tanto fascinavam Borges, desfilam diante do leitor os estranhos seres deste “manual de zoologia fantástica” (título da primeira edição desta obra, que saiu em 1957), sustentados pela complexa erudição borgiana, avalizada por seu domínio tanto das línguas clássicas como das modernas. Com freqüência, ele mergulha na etimologia para explicar animais exóticos como o cabisbaixo búfalo negro com cabeça de porco “catóblepa” (o que olha para baixo) e o da serpente de duas cabeças “anfibesna” (que vai em duas direções), ou mais familiares, como as valquírias (aquelas que escolhem os mortos) ou as fadas (do latim fatum, destino), entidades que intervêm nos assuntos dos homens. Mas a erudição não está a serviço da sisudez de um tratado acadêmico; ao contrário, contribui para o tom lúdico e bem humorado do livro. O próprio Borges diz no seu prólogo que gostaria que “os curiosos o freqüentassem como quem brinca com as formas cambiantes reveladas por um caleidoscópio”. E nessa brincadeira, ele faz uma homenagem à imaginação infinita dos homens, capaz de criar os seres mais curiosos e absurdos como sereias, unicórnios, centauros, hidras e dragões – e eventualmente acreditar neles -, animais que, como disse o crítico Alexandre Eulálio, “Borges acaricia passando preguiçosamente a mão complacente do dono”.

Fica a Dica: ler alimenta a mente e o espírito…

635520630809873587

Aproveitando o ultimo post fica a dica do livro “Primaveras” do Casimiro de Abreu, poeta da segunda geração do romantismo brasileiro, sua poesia é uma leitura fácil e leve, a linguagem é simples e todas as poesias são cheias de ternura e amor.

E essa versão de bolso é excelente, pequena e baratinha, dá para colocar na bolsa e levar para todo canto. Assim pode-se aproveitar o tempo dentro do ônibus ou na sala de espera do médico.

Espero que gostem.

beijooooooooooooooooooooooo